febrero 14, 2011

RPM MTV (2002)

RPM MTV 2002
Para la vuelta lo que valió también fue el empujón de la MTV, que consiguió encajar a la banda en un proyecto fuera del padrón acústico, que venia rescatando mucha gente olvidada por ahí, dando fuerza nueva a grupos casi olvidados en las radios, como Capital Inicial, y artistas que hace años no muestran mayor creatividad, como Jorge Ben Jor. El especial se transformo en CD y esta semana sale en DVD. En tres días, el disco vendió 100 mil copias. Alvorada voraz gano letra actualizada y llena nuestros oídos nuevamente. La vuelta a los medios fue lo suficiente para garantir una agenda de shows cerrada hasta octubre. El éxito retorna de a poco, pero el cuarteto no tiene expectativa de repetir el fenómeno. Es mas, esa palabra, fenómeno, deja Paulo Ricardo enojado: "No somos Ronaldinho recuperándose del problema en la rodilla”

La generación que en los años 80 canto al ritmo de RPM – grupo mas popular de la década, con hits como Revoluções por Minuto, Louras Geladas, Rádio Pirata, Olhar 43 y muchas otras, que rindieron la marca de 3 millones de placas vendidas – vibro con la noticia, en diciembre de 2001, de que después de 12 años separados Paulo Ricardo (voz e bajo), Fernando Deluqui (guitarra), Luiz Schiavon (teclados) y Paulo “P.A.” Pagni (batería) volverían al ruedo.
Ese mismo público, mas los jóvenes curiosos con las historias que oían de quien hoy está en la franja de los 30 años, lleno los shows que el cuarteto hizo Brasil afuera –con derechos a efectos de luz, rayos láser, proyecciones en 3D etc., para recordar el impacto que la banda causaba en los años 80 (en el retorno del grupo, inclusive, el marketing usado por la grabadora Universal era el de la “vuelta del rock espectáculo”). Los seguidores también compraron en buena cantidad el disco lanzado por el cuarteto, RPM MTV En Vivo 2002, en el cual daba una recauchutada en los antiguos éxitos y presentaba algunas músicas inéditas. Fueron 300 mil copias vendidas del CD y 50 mil del DVD.
Ruptura finales del 2003
Viejos y nuevos fans que ahora vuelven a quedar huérfanos, con la carta distribuida a la prensa por Deluqui y Schiavon en el día 17 de diciembre, en la cual anuncian su desvinculamiento de la banda y hacen varias acusaciones contra Paulo Ricardo.
A través de su asesor de prensa, el cantante se defiende y garantiza la continuidad del grupo, con P.A. y nuevos músicos contratados. Pero ciertamente el brillo no será el mismo sin el guitarrista y el tecladista original. Parece que la pelea de egos que separo a RPM en el final de los años 80 volvió a atacar. Una pena, ya que RPM MTV Ao Vivo indicaba una vuelta triunfal del mayor icono del rock pop brasilero. Mismo tocando poco en las radios, comparado con los años 80,el grupo conquista nuevos fans. A pesar del éxito en los shows de 2002 y 2003, RPM no llego a lograr esa explosión generada en los 80,Vida Real, tema del reality show global “Big Brother Brasil” que fue lanzado inicialmente como single, marco oficialmente la vuelta do RPM, pero la ejecución en la TV no se repitió en el dial. Cuando el CD fue lanzado, en 2002, el cuarteto y la Universal resuelven apostar inicialmente en las nuevas relecturas de los antiguos éxitos, como Alvorada Voraz, Juvenília. También fueron para las rádios las inéditas Onde Está O Meu Amor (grabada en estúdio), que fue tema de una novela global que estuvo entre las mas escuchadas de ese año, y el muy buen tema Rainha. Sin embargo no tuvieron el éxito de las antiguas canciones, pero fueron lo suficiente para matar la nostalgia de los antiguos admiradores e incorporo nuevos fans (varios clubes de fans fueron formados en todo el país). En la época, el grupo afirmo que era importante volver con los viejos éxitos para reafirmar su espacio en el escenario del pop-rock nacional. Pero en todas las entrevistas ellos dejaban claro que desde el inicio estaban pensando en un nuevo disco sólo de músicas inéditas. En entrevista colectiva en el Espacio “Crianza Esperanza”, en Rio de Janeiro, el 16 de julio de 2002, Paulo Ricardo decía que, inclusive, ya había varias músicas prontas para este nuevo trabajo. “Creo que la tendencia es mejorar. Nuestro trabajo es consistente, las personas están esperando el nuevo y si acertamos en las canciones tendremos condiciones de superar este disco”. Ya Fernando Deluqui decía que el entendimiento sobre el palco continuaba el mismo, ni parecía que habían pasado 12 años. , un año y cinco meses después, la verdad vino a aparecer. Como aconteció en el pasado, el relacionamiento entre los cuatros llevo al fin de la banda.
El tecladista Luiz Schiavon, que también firma la carta, fue otro integrante retirado de RPM por no concordar con los nuevo rumbos de la banda Deluqui y Schiavon comienzan la carta distribuida a la prensa – intitulada “La verdad sobre RPM 2004”, enviada inicialmente por un e-mail del propio dominio del grupo en Internet (averdade@rpm.art.br) y después de la productora del guitarrista – acusando Paulo Ricardo de haber registrado las marcas RPM, Revoluções por Minuto y Rádio Pirata en su nombre, sin avisar a los demás integrantes de la banda. Además de eso, el habría creado, también en secreto, una empresa llamada RPM Entretenimiento, que funcionaria como una grabadora. Universal confirma que RPM no hace mas parte de su elenco, habiéndose negado a renovar el contrato después del disco en vivo. En tanto, en nota a la prensa, Paulo Ricardo y P.A. niegan que el restante del grupo desconociese las transacciones. “El registro de las marcas fue hecho con el conocimiento de todos los integrantes de la banda”, dice la nota. Deluqui y Schiavon siguen su carta inconformados con el hecho de que, a pedido de Paulo Ricardo, el repertorio construido para el próximo disco tendría que ser descartado. “Era exigido que tanto el guitarrista Deluqui como el
tecladista Schiavon ‘encajasen’ sus trabajos en los arreglos de un nuevo repertorio, apenas ejecutando o complementando partes previamente creadas por terceros y por el propio Paulo”, dice el texto. En la nota de Paulo Ricardo, por su vez, el cantor afirma que hace tiempo que se discutía con el grupo la renovación del trabajo y del repertorio, pero que no se llegaba a un consenso. Por eso, el “opto por abrir nuevos frentes para su carrera y para la trayectoria de RPM.”
En entrevista, el asesor de prensa Fábio Pimentel explico mejor la cuestión. El dijo que en el día 5 de enero Paulo Ricardo y P.A. entraron al estudio para comenzar a grabar el nuevo disco de RPM, con dos guitarristas, un tecladista y percusionistas contratados. Según el, la salida de Schiavon del grupo se dio por incompatibilidad artística. “ Schiavon venia con aquellos teclados de los años 80, y se ofendió cuando Paulo Ricardo dijo que quería una nueva sonoridad. El quería algo mas moderno, con samplers, secuenciadores. La música pedía una cosa nueva, y Schiavon no acompaño. Paulo Ricardo quiso traer a RPM para 2004”, dijo Fábio. En cuanto a la salida de Deluqui, otra polémica. En la carta de la “verdad”, el guitarrista dice que Paulo Ricardo tendría exigido que el rescindiera su contrato individual con la Universal para ser contratado como artista exclusivo de la RPM Entretenimiento. Fábio da otra versión. “Es extraño, porque con Deluqui fue una separación amigable. El, cuando supo de los proyectos de Paulo,se rehusó a continuar, dando preferencia à su carrera solo”, explico el asesor.
El repertorio de la banda vuelve a ser motivo de polémica mas adelante. Segun Deluqui y Schiavon, las nuevas músicas serian firmadas solamente por Paulo Ricardo, “contrariamente a las obras anteriores”, que siempre fueron en conjunto. Fábio, una vez mas lo niega. “Paulo Ricardo siempre compuso las músicas solo. Ele fue ingenuo en un inicio, dejando que los otros firmasen músicas hechas por el.” Llamando de “despóticas” las decisiones de Paulo Ricardo, Deluqui y Schiavon afirman que este “nuevo RPM” es una pseudo RPM, disfrazando un proyecto individual del cantante, y termina la carta diciendo que, agotadas las posibilidades amigables, ellos estan entrando en la justicia “para proteger el patrimonio mayor de un artista, que es su nombre y su credibilidad”. Parece que la novela está sólo comenzando, pero el final todos conocen, y es triste.





Ficha Técnica

Título: MTV RPM 2002
Artista: RPM
Lanzamiento: 2002
Grabadora: Universal
Producción: MTV
Grabado:26 y 27 marzo de 2002 en el Teatro Procopio Ferreira(San Pablo)
Masterizado: Estudio Mosh, Digital Mastering Soluction
Invitados: Frejat, Otto (In memorian) Renato Russo, y Graham Presket
Musicas: Revoluçoes por Minuto, Alvorada Voraz,Juvenília,Sete Mares, Fatal, Liberdade/Guerra Fría, London London, A Cruz e a Espada, Exagerado, Vem para Mim, Carbono 14, Sob a luz do Sol, Rainha, Louras Geladas, Radio Pirata, Vida Real, Olhar 43, Bonus Track Onde esta meu Amor

Letras


REVOLUÇÕES POR MINUTO
(Paulo Ricardo / Luiz Schiavon)

Sinais de vida no país vizinho
Eu já não ando mais sozinho
Toca o telefone chega um telegrama enfim
Ouvimos qualquer coisa de Brasília
Rumores falam em guerrilha
Foto no jornal, cadeia nacional
Viola o canto ingênuo do caboclo
Caiu o santo do pau oco
Foge pro riacho, foge que eu te acho sim
Fulano se atirou da ponte aérea
Não agüentou fila de espera
Apertar os cintos, preparar pra descolar
Nos chegam gritos da ilha do Norte
Ensaios pra dança da morte
Tem disco pirata, tem video cassete até
Agora a China bebe coca-cola
Aqui na esquina cheiram cola
Biodegradante, aromatizante, tem

ALVORADA VORAZ
( Luiz Schiavon / Paulo Ricardo / Paulo (P.A.) Pagni)

Na virada do século
Alvorada voraz
Nos aguardam exércitos
Que nos guardam da paz (que paz?)
A face do mal, um grito de horror
Um fato normal, um êxtase de dor
E medo de tudo
Medo do nada
Medo da vida
Assim, engatilhada
Fardas e força
Forjam as armações
Farsas e jogos
Armas de fogo
Um corte exposto
Em seu rosto, amor, e eu
Nesse mundo assim
Vendo esse filme passar
Assistindo ao fim
Vendo o meu tempo passar
Apocalipticamente
Como num clip de ação
Um clic seco, um revólver
Aponta em meu coração
O caso Sudam
Maluf, Lalau
Barbalho, Sarney
E quem paga o jornal
É a propaganda pois nesse país
É o dinheiro quem manda
E juram que não
Corrompem ninguém
Agem assim
Pro seu próprio bem
São tão legais
Foras-da-lei
Pensam que sabem de tudo
O que eu não sei, eu sei!

JUVENÍLIA
(Paulo Ricardo / Luiz Schiavon)

Sinto um imenso vazio e o Brasil
Que herda o costume servil
Não serviu pra mim
Juventude, aventura e medo
Desde cedo, encerrado em grades de aço
E um pedaço do meu coração é teu
Destroçado com as mãos
Pelas mãos de Deus
E as imagens, transmissões divinas
E o cinismo, e o protestantismo europeu
Parte o primeiro avião
E eu não vou voltar
E quem vem pra ficar
Pra cuidar de ti
Terra linda
Sofra ainda a vinda
De piratas
Mercenários sem direção
E eu até sei quem são
Sim eu sei
Você sempre faz confusão
Diz que não, e vem
Vem chorando
Vem pedir desculpas
Vem sangrando
Dividir a culpa entre nós

SETE MARES
(Paulo Ricardo / Paulo ( P.A.) Pagni / Fernando Deluqui)

Lendo nuvens lento movimento e tu vens
Vens de vidas já vividas ouço o mar
Contar fábulas de marinheiros
Brigas e bebida farta
Antes que o navio parta outra vez olha o céu
Enquanto a chuva coloca o seu véu
Sobre a flor da nossa idade
Vem o sol, em arcos
Íris de divinos olhos vives através do tempo
Lento movimento em torno de nós
Sim...
Existe um mundo de lembranças
Onde dança louca a vida e vai
Atrás de um par atrás de alguém
De alguém
Lendo mãos, linda
Tua boca me revela
Ouço a tua voz ainda
Nosso acordo
Não há amor no mundo todo igual
Amor de vidas já vividas infinitas vezes amor...

FATAL
(Paulo Ricardo)

Não fale de amor
Não diga bobagem
Não prometa o que não vai cumprir
Eu já sei de cor
Toda essa viagem
E sei que não é fácil decidir
Mas seja o que for
Tome cuidado
Aparentemente não faz mal
Brincar de amor
Mas é complicado
E qualquer erro pode ser fatal
Não fale demais
Não se desespere
Tudo tem a hora e o lugar
Não volte atrás
Agora, espere
Procure aprender como se faz

LIBERDADE/GUERRA FRIA
(Paulo Ricardo / Luiz Schiavon)

Seu olhar oriental
Provocante
Mero flerte acidental
Que eu não sei prá one vai
Tudo por você, guerras prá depois
Eu mudo por você, o mundo prá nós dois
Por qualquer ideologia
Sem qualquer convicção
Metralhou o amor que havia
Guerrilheiro coração
Eu já nem sei mais quem sou
Desse jeito não se vive
Nova Iorque ou Moscou
Palestina ou Tel Aviv
Guerra Fria nunca mais
Nova era glacial
E de que me serve a paz
Se em meu sangue corre o mal

LONDON, LONDON
(Caetano Veloso)

I'm wandering round and round, nowhere to go
I'm lonely in London London, is lovely so
I cross the streets without fear
Everbody keeps the way clear
I know I know no one here to say hello
I know they keep the way clear
I'm lonely in London without fear
I'm wandering round and round here
Nowhere to go
While my eyes
Go looking for flying sources in the sky
But my eyes
Go looking for flying sources in the sky
Oh Sunday Monday, autumn pass by me
And people hurry on so peacefully
A group aproaches the policemen
And he seems so pleased to please them
It's good to live at least, and I agree
He seems so pleased at least
And it's so good to live in peace
And Sunday, Monday, years, and I agree
While my eyes
Go looking for flying sources in the sky
But my eyes
Go looking for flying sources in the sky
I choose no face to look at, choose no way
I just happen to be here and it's ok
Green grass, blue eyes, grey sky
God bless
Silent pain and hapiness
I came around to say yes, and I say
While my eyes
Go looking for flying sources in the sky
But my eyes
Go looking for flying sources in the sky

A CRUZ E A ESPADA
(Paulo Ricardo / Luiz Schiavon)
Participação Especial: Renato Russo in memoriam

Havia um tempo em que eu vivia
Um sentimento quase infantil
Havia o medo e a timidez
Todo um lado que você nunca viu
E agora eu vejo aquele beijo
Era mesmo o fim
Era o começo
E o meu desejo
Se perdeu de mim
E agora ando correndo tanto
Procurando aquele novo lugar
Aquela festa, o que me resta
Encontrar alguém legal prá ficar
E agora eu vejo aquele beijo
Era mesmo o fim
Era o começo
E o meu desejo
Se perdeu de mim
E agora é tarde, acordo tarde
Do meu lado alguém que eu não conhecia
Outra criança adulterada
Pelos anos que a pintura escondia
E agora eu vejo aquele beijo
Era mesmo o fim
Era o começo
E o meu desejo
Se perdeu de mim
E nunca mais, nunca mais

EXAGERADO
(Cazuza / Ezequiel Neves / Leoni)

Amor da minha vida
Daqui até a eternidade
Nossos destinos foram traçados
Na maternidade
Paixão cruel, desenfreada
Te trago mil rosas roubadas
Pra desculpar minhas mentiras
Minhas mancadas
Exagerado
Jogado aos teus pés
Eu sou mesmo exagerado
Adoro um amor inventado
Eu nunca mais vou respirar
Se você não me notar
Eu posso até morrer de fome
Se você não me amar
E por você eu largo tudo
Vou mendigar, roubar, matar
Até nas coisas mais banais
Pra mim é tudo ou nunca mais
Exagerado
Jogado aos teus pés
Eu sou mesmo exagerado
Adoro um amor inventado
E por você eu largo tudo
Carreira, dinheiro, canudo
Até nas coisas mais banais
Pra mim é tudo ou nunca mais
Exagerado
Jogado aos teus pés
Eu sou mesmo exagerado
Adoro um amor inventado
Jogado aos teus pés
Com mil rosas roubadas
Exagerado
Eu adoro um amor inventado
Jogado aos seus pés, bem melhor
Eu sou mesmo exagerado
Adoro um amor inventado

VEM PRA MIM
(Herbert Vianna)

Vem pra esse lado
O passo apressado
Vestido emprestado de alguém
Vende os quadros
Os anéis guardados
Arranja uns trocados e vem
Vem pra mim
Vem pra mim
Bela da tarde
Fonte da saudade
O bar do café ideal
Nada foi dito
Nada escrito
Não te causou nenhum mal

CARBONO 14
(Fernando Deluqui / Paulo Ricardo)

Eu quero mais
Uma dose desse veneno
Eu quero mais
Kurt Cobain e John Lennon
Eu quero Nirvana
Legião Urbana
Eu quero mais
No próximo fim de semana
E me lançar
E mergulhar
De cabeça no aqui e agora
De cabeça no aqui e agora
E me lançar
E mergulhar
Nesse mundo caótico
Em câmera lenta
Delírio gótico
Polaróide dos anos oitenta
Carbono 14
Madame Satã
Na fibra ótica da Infobahn
Caleidoscópica Infobahn
Eu quero mais
Na velocidade da luz
Eu quero a paz
De um velho mestre do blues
E me lançar
E mergulhar
De cabeça no aqui e agora
De cabeça no aqui e agora
E transcender
E transmutar
Aqui, agora
Aqui, agora

SOB A LUZ DO SOL
(Luiz Schiavon / Paulo Ricardo / Fernando Deluqui)

Quero das horas escuras
Cumplicidade em qualquer loucura
Quero as noites em claro
A eletricidade, um luar de mil watts
Já não morro mais de medo
Que o tempo escorra pelos dedos
Já não sinto quase nada
Na madrugada fria
Quero a sujeira nas ruas
Nas veias de asfalto quero me injetar
Quero o perigo correndo comigo
Sem nunca poder me alcançar
Já não morro mais de medo
Que o tempo escorra pelos dedos
Já não sei de quase nada
Sob a luz do sol
Quero a cidade vazia
O clarão do dia me ofusca a visão
Minha cabeça lateja
Meu corpo cansado se espalha no chão

RAINHA
(Luiz Schiavon / Paulo Ricardo)

Vem como uma chuva de verão, atenção!
Vem como um relâmpago no céu, um trovão
Vem súbito e intenso como um sinal
Vem como uma mulher, como um vendaval
Lábios cor de vinho tinto
Sabe o que estou sentindo e tem
Olhos da cor do verão
E você vê
Claro como a luz do dia
Ela é uma rainha e tem
Tanto amor no coração
Vem quando você já não sabia porque
Nem pra onde ir e nem o que fazer
Vem rápido e preciso
E você vê
Vem, como um aviso do que pode ser
Vem, a coisa mais bonita
Que você já viu
Vem e tem o poder de mudar a sua vida

LOURAS GELADAS
(Paulo Ricardo / Luiz Schiavon)

Disfarça e faz que nem viu
Não me ouviu te chamar
Desfaz-se assim de mim
Que nem se faz com qualquer um
Agora eu sei, passei por cada papel
E rastejei, tentando entrar no seu céu
Agora eu sei sei sei passei por cada papel
Me embriaguei
E acordei num bordel
Já sei que um é pouco
Dois é bom e três é demais
E eu fico louco de ciúmes de um outro rapaz
Na madrugada
Na mesa do bar
Louras geladas
Vem me consolar
Qualqer mulher é sempre assim
Vocês são todas iguais
Nos enlouquecem então se esquecem
Já não querem mais

RÁDIO PIRATA
(Luiz Schiavon / Paulo Ricardo)

Abordar navios mercantes
Invadir, pilhar, tomar o que é nosso
Pirataria nas ondas do rádio
Havia alguma coisa errada com o rei
Preparar a nossa invasão
E fazer justiça com as próprias mãos
Dinamitar um paiol de bobagens e navegar o mar da tranquilidade
Toquem o meu coração, façam a revolução
Está no ar nas ondas do rádio
No submundo repousa o repúdio
E deve despertar
Disputar em cada frequência
Um espaço nosso nessa decadência
Canções de guerra, quem sabe canções do mar
Canções de amor ao que vai vingar
Toquem o meu coração, façam a revolução
Está no ar nas ondas do rádio
No underground repousa o repúdio e deve despertar oh

VIDA REAL (LEEF)
(Paul Post / Ruud Voerman / Han Kooreneef / Letra em português: Paulo Ricardo)

Se você pudesse me dizer
Se você soubesse o que fazer
O que você faria
Aonde iria chegar
Se você soubesse quem você é
Até onde vai a sua fé
O que você faria
Pagaria pra ver
Se pudesse escolher
Entre o bem e o mal
Ser ou não ser
Se querer é poder
Tem que ir até o final
Se quiser vencer
Se pudesse eu te levaria
Até onde você quer chegar
O brilho das estrelas
O primeiro lugar
O mundo é perigoso
E cheio de armadilhas
De mistério e gozo
Verdades e mentiras
Viver é quase um jogo
Um mergulho no infinito
Se souber brincar com fogo
Não há nada mais bonito

OLHAR 43
(Paulo Ricardo / Luiz Schiavon)

Seu corpo é fruto proibido, é a chave de todo o pecado e dá libido
E prum garoto introvertido, como eu, é a pura perdição
É um lago negro, o seu olhar, é água turva de beber, se envenenar
Nas suas curvas derrapar, sair da estrada, morrer no mar (no mar)
É perigoso o seu sorriso, é um sorriso assim jocoso, impreciso
Diria misterioso, indecifrável, riso de mulher
Não sei se é caça ou caçadora, se é Diana ou Afrodite, ou se é Brigite
Stephanie de Mônaco aqui estou inteiro ao seu dispor (princesa)
Pobre de mim, invento rimas assim prá você
E um outro vem em cima e você nem prá me escutar
Pois acabou não vou rimar porra nenhuma, agora vai, como sair
Que eu já não quero nem saber se vai caber, ou vão me censurar (será?)
E prá você eu deixo apenas, o meu olhar 43, aquele assim
Meio de lado, já saindo, indo embora, louco por vocês (gracinhas)
Que desperdício!
Tesão!

ONDE ESTÁ O MEU AMOR
(Paulo Ricardo / Luiz Schiavon / Marcelo B.)

Onde está o meu amor?
quem será, com quem se parece?
Estará no Brasil
Ou será que nem me conhece?
Onde andará meu amor?
Seja onde for irá chegar
Onde está o meu amor?
Que será que ele faz da vida?
Deve saber amar
E outras coisas que Deus duvida
Corre, se esconde
Finge que não
Jura que sim
Morre de amores
Aonde?
Longe de mim
Onde está o meu amor?
Leve, envolto em tanto mistério
Deve saber voar
Deve ser tudo que eu espero
Onde andará o meu amor?
Seja onde for
Eu sei que vai chegar